Pequenas, mas atrevidas, por Joselia Aguiar (Valor Econômico)

Matéria de Josélia Aguiar sobre editoras independentes (entre as quais, a Cultura e Barbárie), publicada no Valor Econômico de hoje (30/8/2013):

“O caminho das editoras independentes não pode ser o da imitação das grandes: devem buscar um modelo próprio e singular a cada uma, seja no catálogo, no processo produtivo, na relação com os autores e leitores, de preferência nos três eixos. Pelo menos é como tentamos fazer”, defende Alexandre Nodari, um dos fundadores da Cultura e Barbárie, de Florianópolis. Como “linhas de fuga ao consenso”, a Edições Chão da Feira escolhe títulos que “modificam a cartografia do que é pensável, nomeável, do que é perceptível e, também, do que é possível”, define Maria Carolina Fenati, uma das editoras que constituem um núcleo que se estende por Belo Horizonte, São Paulo, Rio, Lisboa e Porto. Rachel Gontijo, uma das sócias da carioca A Bolha, lembra que “comprar um livro de uma editora independente é uma forma de ativismo, assim como escrever sobre produções independentes”.

Acesse a matéria completa  >>>

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s